COLETA DE MATERIAL PARA ANATOMIA PATOLÓGICA

 

Todo material destinado a histopatologia deve vir acompanhado da requisição de exame devidamente preenchida. É sempre necessário o envio de informes clínicos do caso a ser estudado.

 

TIPOS DE EXAMES E PADRÕES MAIS UTILIZADOS

 

·         Peça cirúrgica radical simples: amostragem de uma área/órgão com 3,0 cm ou mais de diâmetro.

·         Biopsia simples: amostragem de uma área/órgão, abrangendo no mínimo 0,3 cm de espessura por 0,5 cm de profundidade.

·         Biopsia com pesquisa de H. pylori: gengiva, esôfago, estômago, duodeno, etc.

·         Biopsia com coloração especial (BCE): biópsia simples com pesquisa de agentes etiológicos como fungos, protozoários, dentre outros, por meio de colorações especiais.

·         Citologia de punção de líquidos: punção de órgãos variados: tireóide, cistos, nódulos etc.

·         Colorações especiais: serão realizadas em materiais como fígado e medula óssea, em casos de explicitação médica ou quando for necessária a pesquisa de glicogênio, substância amilóide, depósito de ferro, depósito de cobre (consultar o setor em caso de dúvidas).

 

COLETA DE MATERIAL PARA EXAME HISTOPATOLÓGICO

 

A coleta de material para exame histopatológico é a operação mais delicada da técnica histológica, pois exige grande habilidade e atenção do Médico Veterinário responsável. São considerados aspectos importantes:

·         O cirurgião ou o clínico, ao realizarem a biópsia, devem ter sempre ao lado o instrumental cirúrgico e o(s) frasco(s) contendo o líquido fixador.

·         As incisões devem ser feitas de modo rápido, com instrumento afiado, evitando-se esmagar o tecido.

·         Os fragmentos de tecidos devem ter no mínimo 0,3 cm de espessura, faces planas e paralelas e atingir no mínimo 0,4 cm de profundidade.

·         As superfícies de corte devem compreender, sempre que possível, uma parte da lesão e outra do tecido normal adjacente, evitando-se o centro e as bordas da lesão.

·         Imediatamente após a colheita, os fragmentos de tecido devem ser acondicionados diretamente no líquido fixador, em frascos de boca larga.

·         Nunca acondicionar o material em soro fisiológico ou água, pois tais meios maceram os tecidos, inutilizando-os para estudo histológico.

 

CONSERVAÇÃO DO MATERIAL / PREPARAÇÃO DO TECIDO

 

·         Devido à grande importância da análise anátomo-patológica, deve-se ter um cuidado especial na preservação (fixação) e acondicionamento das amostras, pois se trata de um material biológico nobre e de recoleta difícil.

·         Para a histopatologia convencional, o fixador utilizado na rotina é a solução aquosa de formalina, formol a 10% (1 parte de formol para 9 partes de água). Particularmente para o sistema nervoso, utiliza-se a fixação em formol a 20% (2 partes de formol em 8 partes de água) para melhor preservação do órgão. O tempo de fixação está entre 8 e 48 horas, conforme o seguinte índice de fixação: 8 horas para cada milímetro de espessura da amostra. O fixador pode ser escorrido para se evitar derramamento durante o transporte, somente após 24 horas de fixação para amostras menores que 3 cm e após 48h para amostras maiores que 3 cm.

·         Para o exame citológico podem ser utilizados fixadores como o álcool etílico a 95° ou o álcool absoluto, sendo 1 hora o tempo ideal de fixação e o mínimo de 15 minutos.

 

IDENTIFICAÇÃO DO MATERIAL / REQUISIÇÃO DE EXAMES

 

Os exames enviados ao setor de Anatomia Patológica devem ser rotulados com a identificação do paciente e acompanhados da requisição médica e relatório clínico. É imprescindível que o relatório clínico contenha a especificação do material coletado e a identificação do animal (espécie, raça, sexo e idade). O médico responsável pela coleta deve fornecer uma descrição detalhada e objetiva das lesões macroscópicas, de tal forma que retrate claramente o material examinado, assim como explicite o(s) local(is) e o número de amostras coletadas e enviadas ao laboratório.

 

CITOLOGIA - PUNÇÃO DE LÍQUIDOS

 

Materiais diversos: punção de mama, líquido ascítico, líquido sinovial, líquido pleural, líquido pericárdio, punções de coleções superficiais, urina, lavado vesical, gástrico, peritoneal, lavado tráqueo-brônquico.

O envio do líquido é preferencial e este material deve ser enviado depois de misturado e homogeneizado com álcool etílico (70%), volume a volume. Desta forma teremos material de melhor qualidade para exame.

 Em caso de esfregaço de lâmina, este deve ser enviado e fixado em álcool etílico (70%).

 

COLETA PARA EXAME CITOLÓGICO

 

O exame citológico é indicado para diferenciação de processos inflamatórios agudos x crônicos e neoplásicos benignos x malignos. O exame citológico apresenta como vantagens principais a rapidez no diagnóstico, a baixa invasividade e a necessidade de pequena quantidade de material. Uma das suas limitações é a necessidade ocasional de confirmação diagnóstica por meio da histopatologia, por não proporcionar a visualização da arquitetura do tecido alterado. Podemos dividir em 3 formas de obtenção do material:

 

CITOLOGIA POR DECALQUE (IMPRINT OU CLAPS)

 

Colhe-se fragmento de 1-2 cm do órgão ou nódulo a ser examinado, retira-se o excesso de sangue com um papel toalha e faz-se a impressão em uma lâmina limpa

CITOLOGIA POR ESMAGAMENTO (SQUASH)

 

Esta técnica consiste em colocar uma lâmina sobre a outra (contendo um fragmento de 2 mm do material a ser examinado), comprimindo-as e espalhando o material.

 

CITOLOGIA ASPIRATIVA POR AGULHA FINA

 

É uma técnica interessante por colher células de lesões profundas, podendo-se obter células de vários planos do tecido.

Colocar o material imediatamente em álcool comercial a 95° (não deixar secar antes da fixação) e manter a temperatura ambiente. Pode-se enviar a amostra em seringa ou transferir para um tubo estéril. Manter em geladeira ou conservar em álcool a 50%. O material deve ser enviado em partes iguais: material biológico +álcool.

Encaminhar, imediatamente, ao laboratório. O material deve vir acompanhado de histórico detalhado, descrição da lesão e técnica de colheita.