COLETA PARA MICROBIOLOGIA

 

Para realização da coleta de material para análise microbiológica é fundamental observar os seguintes itens

·         Colher antes da antibioticoterapia, sempre que possível;

·         Colher do local onde o microorganismo suspeito tenha maior probabilidade de ser isolado;

·         Quantidade suficiente de material deve ser coletado para permitir uma completa análise microbiológica;

·         Usar frascos adequados para cada tipo de material enviado (meio de transporte, frascos estéreis);

A anotação da hora da coleta é um dado extremamente importante para o controle da COLETA DE MATERIAIS DIVERSOS: FERIDAS-ABSCESSOS-EXSUDATOS

 

O termo “secreção de feridas” é inapropriado como informação da origem do material coletado. A descrição do sitio anatômico específico, bem como informações adicionais (material de ferida superficial ou profunda), são extremamente valiosos para o laboratório, auxiliando na interpretação dos resultados.

 

Principais passos para realização da coleta:

·         As margens e superfície da lesão devem ser descontaminadas com PVPI e soro fisiológico.

·         Coletar o material purulento localizado na parte mais profunda da ferida, utilizando-se, de preferência, aspirado com seringa e agulha.

·         Swabs serão utilizados quando os procedimentos acima citados não puderem ser realizados. A cultura de lesões secas e crostas não são recomendadas, salvo não ser possível colher exsudato.

 

COLETA DE RASPADO DE PELE

 

No exame de raspados cutâneos podem-se pesquisar ectoparasitos e fungos. Em algumas afecções de pele, este é um procedimento imprescindível para o estabelecimento de um diagnóstico decisivo. Para aumentar a sensibilidade e especificidade do teste é importante seguir os passos relacionados abaixo:

·         Preferencialmente não estar em uso de medicamentos tópicos por no mínimo duas semanas, evitando desta forma resultado falso-negativo.

·         Deve-se fazer uma boa assepsia no pêlo do animal utilizando álcool 70°(não esfregar) devido à presença de microorganismos saprófitos que podem interferir no resultado do exame.

·         Para colheita de material de pele em animais de pêlos longos, realizar tricotomia parcial, deixando os pêlos com no máximo 0,5 a 1,0 cm de comprimento. Incluir pêlos partidos associados a lesões, pêlos íntegros retirados de dentro dos folículos com pinça hemostática e descamação, mas deve-se evitar o exsudatos.

·         O raspado deve ser profundo e realizado na periferia da área lesionada quando estas forem descamativas. Quando a suspeita é de sarna demodécica, deve-se comprimir fortemente a pele com os dedos porque esta sarna se localiza profundamente na pele. No caso de micose, arrancar pêlos junto com o raspado.

·         A coleta do material deve ser feita nas áreas mais extensas das lesões. Escamas, fragmentos de unhas, pêlos, cabelos opacos, quebradiços e curtos ou de aspectos de pontos negros.

·         Raspar nos diversos locais do corpo em que tiver lesões. A amostra enviada deve ser representativa da lesão, pois pouco material dificulta o exame e pode acarretar em resultado falso-negativo.

·         Utilizar preferencialmente lâmina de bisturi e evitar o uso da tesoura por não ser o instrumento próprio para o raspado de pele.

·         Os materiais obtidos devem ser colocados em frascos limpos ou estéreis e identificados separadamente para cada sítio a ser investigado.

·         Enviar em frascos bem vedados.

·         Evitar enviar somente pêlo; é necessária a presença de células de descamação.

 

 

CULTURA DE FUNGOS

 

É um exame cujo resultado demora em torno de 20 a 30 dias, tempo necessário para o crescimento da maioria dos fungos

·         Para um resultado fidedigno deste exame deve-se fazer uma assepsia bem feita e o material deve ser enviado em frasco coletor universal bem vedado e em temperatura ambiente.

·         Contaminantes externos podem interferir no crescimento dos fungos.

 

 

COLETA DE SECREÇÃO DE OUVIDO

 

·         Limpar a parte externa do ouvido com uma solução degermante suave.

·         Obter, com auxílio de um swab, o material da parte mais profunda, incluindo secreções “frescas”. Evitar tocar nas paredes externas do ouvido.

·         Amostras do lado direito e esquerdo devem ser identificadas.

 

 

COLETA PARA CULTURA DE URINA

 

·         Colher amostra de urina preferencialmente com sonda ou por cistocentese (mais recomendado). Acondicionar em recipiente apropriado (frasco estéril).

·         Refrigerar imediatamente (2 a 8°C) e enviar ao laboratório sob refrigeração em um prazo máximo de 12 horas

 

COLETA PARA CULTURA DE FEZES (COPROCULTURA)

 

·         Devem ser coletadas na fase aguda da doença, quando os patógenos estão usualmente presentes em maior número e, preferencialmente, antes da antibioticoterapia.

·         Fezes recém excretadas antes da administração de antimicrobianos.

·         Preferir sempre as porções mucosas e sanguinolentas.

·         Se a amostra não puder ser entregue em um prazo de até 2 horas da coleta, manter sob refrigeração a 4°C, no máximo por um período de 12 horas para garantir a viabilidade da amostra e qualidade do exame. 

 

 

HEMOCULTURA

 

Realizar preferencialmente punção venosa por trazer mais benefícios na recuperação de microorganismos quando comparada com punção arterial.

Não se recomenda a troca de agulhas entre coleta e distribuição do sangue nos frascos específicos.

 

Para uma boa coleta proceder da seguinte forma:

·         Lavar e secar as mãos;

·         Remover os selos da tampa dos frascos de hemocultura e fazer anti-sepsia prévia nas tampas com álcool 70%;

·         Realizar tricotomia, anti-sepsia de pele, deixar secar. Selecionar uma veia adequada. Esta área não deverá mais ser tocada com os dedos;

·         Fazer a anti-sepsia com álcool 70% de forma circular e de dentro para fora;

·         Aplicar solução de iodo (tintura de iodo 1 a 2% ou PVPI 10%), também com movimentos circulares e de dentro para fora. Para ação adequada do iodo, deixar secar por 1 a 2 minutos antes de efetuar a coleta;

·         Identificar cada frasco e enviar ao laboratório.

 

Volume de sangue coletado por frasco

 

O volume ideal corresponde a 10% do volume total do frasco de coleta.

O volume recomendável para cães de grande porte é de 5 a 10 mL (usar frasco adulto).

Cães de pequeno porte ou gatos: 1ml (usar frasco pediátrico).

 

Obs.: Nunca refrigerar o frasco. Manter o frasco em temperatura ambiente e encaminhar o mais rápido possível para o laboratório.

 

BACTÉRIAS ANAERÓBIAS PARA CULTURA

 

·         A maioria dos microrganismos anaeróbios não sobrevive à exposição ao oxigênio por mais de 20 minutos, portanto este tipo de coleta deve seguir regras rigorosas.

·         A coleta deve ser feita evitando-se contaminação com a flora normal endógena.

·         Sempre que possível, a amostra deve ser coletada através de aspirado com agulha e seringa ou através de fragmentos do tecido infectado O material aspirado deve ser precedido da eliminação do ar residual.

·         Aspirados de abscesso, material de biópsia, líquor, aspirado para cultura de urina, sangue, aspirado profundo de feridas abertas, obtidos após descontaminação da pele.

·         Nunca deixar amostra em contato prolongado com o ar. O material colhido por swab não é o ideal. Como a maioria das infecções por Anaeróbios é mista, recomenda-se sempre fazer em paralelo a cultura para Aeróbios e Gram.